Pular para o conteúdo
Voltar

Conheça histórias de mães empreendedoras que lideram empresas em Mato Grosso

Sirley, Isabelle e Jaqueline são exemplos de mães que conciliam a criação dos filhos e aprimoraram seus negócios com recurso da Desenvolve MT
Vitória Kehl | Desenvolve MT

Jaqueline Oliveira e seu filho, na loja Bichão AgroPet em Sinop. - Foto por: Divulgação
Jaqueline Oliveira e seu filho, na loja Bichão AgroPet em Sinop.
A | A

Mães fazem de tudo para proporcionar uma vida melhor aos seus filhos e muitas vezes acreditam que ainda não é suficiente. Mães são exigentes, zelosas e dedicadas. Como mulheres, estão sempre se desdobrando e fazendo várias coisas ao mesmo tempo. Mães que empreendem buscam, além do próprio dinheiro, ter mais flexibilidade de horário para passar mais tempo com os filhos.

Conforme uma pesquisa realizada pela Rede Mulher Empreendedora (RME), 68% das donas de negócios do país começam a empreender depois da maternidade. Em Mato Grosso, o cenário não é diferente. 

Jaqueline Oliveira, 30 anos, é um exemplo de mãe empreendedora com rotina organizada. Formada em contabilidade, começou a empreender pela dificuldade de encontrar um emprego na sua área que proporcionasse uma liberdade de horário. 

Proprietária da loja de ração chamada Bichão AgroPet, localizada em Sinop (480 km de Cuiabá), divide as horas do seu dia entre a empresa e o filho de 8 anos, ele precisa fazer reabilitação após se tornar cadeirante em decorrência de um tumor cerebral.

Ser mulher, mãe e empreendedora não é uma tarefa fácil, mas ainda assim, ela estimula outras a fazerem o mesmo.

“Muitas mulheres acham que talvez não vai dar certo, não vão conseguir e não darão a atenção devida ao filho. Se tiverem dedicação, vão tirar de letra. Na pior situação, eu procurei não desistir do meu negócio, mesmo que parecesse muito difícil naquele momento”, declara Jaqueline.

A empreendedora de Primavera do Leste (243 km de Cuiabá), Sirley Aparecida, é mãe de três filhos, de 17, 14 e 12 anos. Determinada a deixar um legado para os filhos, assumiu o bar e a distribuidora de bebidas que pertence ao seu pai, e no ramo, enfrentou desafios. 

“Quando fui trabalhar com meu pai, passei a me esforçar por uma coisa que é nossa, a dar valor a família e a investir mais na educação dos meus filhos. Aprendi a não esbanjar, a zelar pelo negócio. Ser dona do meu negócio me dá mais liberdade com os meus filhos e consigo fazer o meu próprio horário”, ressalta.

A empreendedora Isabelle Carvalho de 43 anos é sócia-proprietária da Floricultura In Fiore, localizada em Cuiabá. Mãe de 3 filhos, começou a empreender com artesanato regional há 20 anos, quando o filho mais velho tinha 5 anos.

Durante os anos de artesanato, montou seu negócio na frente de casa e também, comercializava em feiras, para sempre poder ficar com os filhos. A maternidade a incentivou a seguir seus sonhos. 

Há 2 anos, decidiu abrir sua própria floricultura com a cunhada Tatiane Lemos. “Principalmente para quem tem um sonho, não se pode desistir. Empreender é bom para aprender, ter flexibilidade de horário e construir seu caminho. Todos em algum momento deveriam empreender”, disse Isabelle.

Sirley, Isabelle e Jaqueline são exemplos de empreendedoras que conseguiram aprimorar os seus negócios e enfrentaram os desafios impostos pela pandemia com recursos oferecidos pela Desenvolve MT. 

Crédito

No final do ano passado, o Governo de Mato Grosso destinou R$ 50 milhões para o programa social Mulheres Empreendedoras. Uma linha de crédito para incentivar mulheres de todas as idades que estejam à frente de seus negócios e que desejam investir e melhorar o seu empreendimento, gerando emprego e renda. 

(Com edição e supervisão de Livia Rabani)